Por Anastácia Jean Kyrissoglou

São 40 alunos com mais de 60 anos de idade, de diferentes formações e experiências, interessados na profissão repórter que, após um mês e meio de aulas teóricas se iniciam na jornada de escrever sua primeira reportagem, sob a batuta das jornalistas Luciana Fleury e Lilian Liang.  Seguindo todas as etapas da formação de uma reportagem com reunião de pauta, os alunos se prepararam para fazer a cobertura da palestra do físico Ricardo Lima, com o tema “Artes e ofícios como recomeço a cada dia”.

A palestra surpreendeu a plateia de alunos repórteres com dois conceitos principais: a ideia do Homo Faber, o homem que faz, e Homo Sapiens, o homem que sabe, e, ainda, a referência histórica aos “Compagnons du devoir”, tradição das artes e ofícios na França que enfatiza o trabalho como ofício e dever.

Os alunos vivenciaram a experiência de participar de uma coletiva, entrevista pingue-pongue com perguntas elaboradas por seis alunos, vídeo cobertura, áudios e elaboração dos textos, sentindo a dinâmica de uma redação. Um clima de entusiasmo e frio na barriga envolveu todos os participantes tal o comprometimento destes repórteres 60+, a vontade de aprender e fazer bem feito era predominante. O próprio palestrante declarou a riqueza dessa experiência e como os entrevistadores levantaram questões que provocaram uma reflexão sobre suas escolhas profissionais.

Ao final, o ambiente colaborativo predominou e os alunos repórteres 60+ produziram seus primeiros textos, criando novas expectativas de ser e fazer mais.