Por Conceição Aparecida Peres Munhoz

Na fria manhã de 08 de agosto, alunos ouvem atentos a fala calorosa de Ricardo Lima, convidado a palestrar sobre o tema “Trabalho” no curso Profissão Repórter 60+. Num tom coloquial dialogou com o grupo, narrou com carinho a força da avó em sua vida, pessoa simples e analfabeta, que lhe transmitiu algo que ele julga muito valioso – a importância do “fazer com as próprias mãos”, fazendo pensar sobre a importância da arte, ofícios e a interface com o trabalho. Houve interesse do grupo em aprimorar esse enfoque, na perspectiva de estabelecer relações entre o conceito de trabalho, artes e ofícios.

Ricardo falou sobre o quanto é importante pensarmos no que estamos fazendo, o porquê de nosso trabalho, reforçando que o “como eu encaro o que estou fazendo” produz diferenças significativas tanto em mim mesmo, como no resultado do meu trabalho.

“É possível conectar o ‘homo sapiens’ e o ‘homo faber’: cabeça e mão juntas, num fazer mais humano e significativo. Podemos nos desenvolver e transmitir toda uma tradição em ofícios como cozinhar, bordar, escrever, contar histórias. Transmitir, ensinar, aprender, trabalhar com outros nesse desenvolvimento que segue a cada dia.”, diz Lima.

Na entrevista coletiva a aluna Norma Rangel, 62 anos, perguntou sobre como ele diferencia trabalho e ofício. Ricardo respondeu que o termo trabalho é usado genericamente como atividade e pode ser encarado como um ofício ou não, por quem o executa. O diferencial seria o quanto a pessoa se desenvolve com o seu trabalho ou não e qual a sua resposta à questão: “por que eu faço isso?”.

“Gostei muito da palestra; o mais interessante é que ele, apesar de ter estudado Física e atuado por 38 anos nessa área, trouxe questões tão humanas, falando sobre o desenvolvimento de capacidades interiores e a espiritualidade, no fazer cotidiano”, diz Mihoko Kanai, 64 anos, aluna do curso.

Após a palestra, o grupo passou a trabalhar com entusiasmo na produção de matéria sobre a palestra, num exercício prático, empenhados na aprendizagem do ofício de repórter pela vida afora.