Por Claudio Viggiani

A psicóloga, educadora e orientadora da Associação Centros Etievan, Marion Laurent de Navarro, discorre sobre a importância da transmissão das tradições e da espiritualidade em um mundo altamente influenciado por informações instantâneas e dispositivos que alijam os indivíduos do convívio social.

PR60+: Em um mundo caracterizado pelos avanços tecnológicos, como equilibrar tradição e evolução?

MARION LAURENT DE NAVARRO:  A tradição tem valores fixos, que atravessam os tempos, como ética, verdade, honestidade, trabalho etc. Esses valores são universais, apenas mudando a forma de sua aplicação dependendo da comunidade em que se vive. Eles devem estar inseridos na essência de todos seres humanos e são os que devem ser transmitidos às futuras gerações. Isso não conflita com a evolução experimentada pelo avanço da tecnologia, por exemplo.

 

PR60+: Na medida em que envelhecemos, focamos mais na espiritualidade?

MARION LAURENT DE NAVARRO:  Sim. Não importa a religião que se pratica nem o conceito particular de cada um sobre espiritualidade. O que ocorre é que, conforme envelhecemos vamos reconhecendo o que é ou não importante e aprendemos a nos concentrar nas coisas mais essenciais da vida. Conforme percebemos que resta menos tempo nessa existência, naturalmente nos dedicamos mais ao que é essencial.

 

PR60+: O grande deslocamento experimentado atualmente, promovendo a separação física das famílias e seus membros, dificulta a transmissão de valores?

MARION LAURENT DE NAVARRO:  De fato a condição de isolamento em que vivemos hoje, dificulta a transmissão de conceitos pessoalmente. Porém, pegando o exemplo de meus filhos, pois cada um está vivendo em um país diferente e distante, sinto que é justamente a tradição familiar, transmitida quando eles eram menores e estávamos juntos, que reforça nossos laços. Desta forma, nos sentimos tão conectados como se vivêssemos no mesmo local.