Por Ana Lucia Lanzone

Na quarta-feira, dia 27 de março, os alunos do Profissão Repórter 60+ receberam o cardiologista Sandrigo Mangini, doutor em cardiologia pela FMUSP, médico do núcleo de transplante do InCor HCFMUSP, médico da UTI e do programa de transplante do Hospital Israelita Albert Einstein.

Mangini escolheu fazer medicina porque, desde jovem, tinha curiosidade sobre doenças. Decidiu atuar como médico intensivista e especialista em transplantes porque queria resolver “os problemas mais difíceis”. Atualmente, acredita que é mais fácil se manter atualizado porque o acesso à informação é muito simples e rápido. No entanto, percebe que esta mesma facilidade gera ansiedade por ser impossível acompanhar tudo o que é divulgado. Acredita que toda estratégia de cuidado é válida, sendo medicina oriental, homeopatia ou slow medicine, desde que usadas tendo como foco a demanda do paciente.

Tendo defendido várias práticas para um envelhecimento saudável durante sua fala, Mangini reconhece que talvez faça menos do que deveria para seguir os seus próprios achados e orientações. No entanto, tenta mostrar aos filhos e pacientes o melhor que pode ser feito. Ele afirma que teve de fazer escolhas em sua vida, mas, mesmo com o tempo restrito para dedicar-se à família e lazer, seu tempo dedicado aos estudos e pesquisas são de muito prazer e ele se sente preenchido com isso.