TRABALHO E TRADIÇÃO POR UM FIO
As histórias do Mercadão

Mercadão de São Paulo

Próximo ao Pátio do Colégio, onde a cidade de São Paulo começou, destaca-se o Mercado Municipal Paulistano, o Mercadão. Em todo o mundo, os mercados municipais se tornaram cartão de visitas de muitas cidades e em São Paulo aconteceu o mesmo. Com 270 boxes de produtos variados (frutas, bebidas, queijos embutidos, temperos), além das lanchonetes que, entre várias outras opções, servem os ícones de sua gastronomia - o pastel de bacalhau e o sanduíche de mortadela – o Mercadão atrai cerca de 50 mil pessoas semanalmente por suas cores, sabores, aromas e histórias, além da beleza da arquitetura idealizada pelo escritório de Ramos de Azevedo em 1929. “Se me pedissem para traduzir o Mercadão em apenas duas palavras, eu diria: trabalho e tradição”, diz Eloy Vega, 49 anos, administrador do local há um ano.

A tradição é confirmada pelo fato de haver permissionários (assim chamado quem obtém um termo de permissão de uso, o TPU, para operar no Mercadão concedido pela Prefeitura por meio de licitações) que acumulam nada menos do que 85 anos de atuação, sendo recorrente a passagem do negócio dentro da mesma família. Perde o direito ao TPU quem descumpre regras, como estar quite com os valores devidos à Prefeitura, ou infringe leis; e apesar da concessão do TPU poder ser revogada a qualquer momento, Vega deixa claro que a renovação de permissionários não é algo que preocupe a Prefeitura, sendo o mais importante o recebimento em dia do aluguel dos boxes, definido de acordo com a área ocupada. Com tudo isso, a última licitação foi há 4 anos. No entanto, não é difícil encontrar boxes sublocados. 

As mais de 1500 pessoas que mantêm a rotina de funcionamento do mercado respondem pela outra característica que define o Mercadão segundo seu administrador. Funcionando de segunda a sábado das 6h às 18h para vendas no varejo e das 22h às 6h para o atacado, abrindo de domingo e feriado das 6h às 16h para varejo, o trabalho é constante e intenso. Não há horário definido para a carga e descarga de produtos; para não ocupar espaço de vendas com estoque, os permissionários costumam utilizar imóveis da redondeza para armazenamento, tornando fácil a reposição quando necessário e gerando um zigue-zague ininterrupto de carrinhos pelos corredores internos.



Visitando o local pela primeira vez, a nutricionista Vanessa Rodrigues Bezerra, de 26 anos, ficou encantada com o tamanho do espaço e a variedade de produtos. “Não tem como vir ao Mercadão e não experimentar o sanduíche de mortadela”, diz, confirmando diante dos seus conhecimentos em nutrição que o lanche “vale por uma refeição”. Vanessa é moradora de Presidente Prudente, tendo vindo a São Paulo para um curso de especialização na USP (Universidade de São Paulo) e passeava pelo mercado acompanhada da mãe, Maria Aparecida Rodrigues Bezerra, que, aos 62 anos de idade, também estreava no Mercadão.

Saul Simões Junior, de 66 anos, hoje residente em Santa Cecília, Capital, frequenta o Mercadão mensalmente, há mais de 50 anos. No início, acompanhando a avó nas compras, com grande lembrança de quando vinham buscar aliche para a ceia de Natal. Simões explica que só não compra frutas pois “virou uma máfia” com preços exorbitantes. Disse que é viciado no Mercadão, reclamou dos estacionamentos no entorno, que com a implantação da Zona Azul na região e a proximidade do comércio popular da 25 de Março, ficou bastante difícil de estacionar. Para ele, tudo no Mercadão lembra uma venda antiga, um armazém de secos e molhados, até no cheiro. 

Mobirise

Subterrâneos 

Marcado por seu pé-direito que chega a 16 metros de altura, acabamento sofisticado e um projeto arquitetônico que explora a iluminação natural com o uso de claraboias e telhas de vidro, o Mercadão é amplo, iluminado e com boa ventilação. Características em total contraste com o ambiente reservado para aqueles que estão lá diariamente para trabalhar: o subsolo.
  
Verdadeiro labirinto, não iluminado adequadamente, sem indicações de saída de emergências e sem extintores visíveis, o espaço tem pouca ventilação e exala cheiro de urina. Por quase toda sua área útil, existem armários espalhados, identificados pelos próprios usuários e de pequenos tamanhos, já que botas, por exemplo, não cabem, sendo colocadas na parte de cima. Completam o cenário fios soltos, paredes com inúmeras infiltrações e rachaduras. Em dias de chuva forte, tendo em vista a proximidade com o rio Tamanduateí, o subsolo sofre inundações, ficando interditado e causando reflexo nos elevadores e nas instalações elétricas em geral. Não havendo um local apropriado, os funcionários, em seu tempo livre, buscam breve repouso nos degraus da escada existente na área do mezanino que dá acesso a uma área de uso variado, chamada de Salão de eventos. Sentando nos degraus, contrariam a curiosa ordem escrita em um improvisado cartaz de papel sulfite onde se lê: “Proibido descansar”. 

Mobirise

Pessoas e patrimônio em risco

Visitantes, permissionários, funcionários e o próprio prédio histórico do Mercadão estão sujeitos, diariamente, a uma situação de alto risco: a ocorrência de um incêndio. A precariedade das instalações de combate a incêndio é evidente. Faltam extintores de incêndio, mangueiras, hidrantes, alarmes, sinalizações, treinamento e rotas de fuga. Permissionários entrevistados confirmam a ausência de qualquer orientação referente à prevenção e combate a incêndio. Uma situação reconhecida pelo próprio administrador do local. “É um absurdo, mas o Mercadão não tem um AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros)”, disse Vega.

Mobirise

Segundo ele, é da Renome (Associação da Renovação do Mercado Central Paulistano), entidade que toca o dia a dia do Mercadão, a responsabilidade pela execução do anteprojeto de prevenção e combate a incêndio, ação que está andando muito lentamente, devido ao alto custo e queda do movimento de vendas. A alegação de alto custo, diante do total de um milhão de reais previstos, porém, não procede na visão de Vega, que considera o valor factível ao se considerar que será rateado pelos 270 permissionários.

Mobirise

Os problemas de bastidores vão na contramão da apresentação esmerada com que os vendedores expõem seus produtos e a reconhecida qualidade do que se vende no Mercadão. Até agora invisíveis para os turistas, tornam o robusto Mercadão um local frágil onde tradição e trabalho podem estar por um fio.

Texto de Darcy Silva, Eduardo Luiz Mendes, Isabel Dias, João Francisco Aranha, João Gomes Antunes, Lea Elisabete Dantas Cortes, Marilda Teixeira Goldfeder, Miriam Bertolino, Sérgio Cahen, Stella Pereira e Walter Pinheiro Santos.

Mobirise

O MERCADO DAS FRUTAS

Dentre os atrativos do Mercadão, que não são poucos, os boxes das frutas, sem dúvida, merecem destaque pela aparência, aroma, sabor e - por que não? - beleza da exposição nas bancas cuidadosamente arranjadas, com o requinte das melhores vitrines.
Originalmente, o Mercadão era o centro de abastecimento mais importante da cidade de São Paulo, principalmente no setor de frutas, que embelezam o local com sua variedade de espécies. Hoje, os boxes de frutas continuam sendo atração graças à qualidade dos produtos. Nacionais, exóticas e de várias partes do mundo, como Chile, Colômbia, Argentina, Ásia, Nova Zelândia e Israel, todas atraem os turistas. São encontradas espécies como a pitaia vermelha, pitaia colombiana, a granadine colombiana, o kiwi amarelo, o canistel (abacate caribenho), o pêssego donut (tipo nectarina), entre outras.
As frutas são perecíveis e precisam de cuidados especiais no transporte, na embalagem e nas prateleiras, por isso, na maioria das vezes, são utilizadas frutas artificiais na exposição. Uvas e frutas vermelhas, por exemplo, duram no máximo cinco dias na geladeira. As mais duráveis são o melão, o abacaxi, a jaca, a manga e a maçã, que resistem até 15 dias, sem necessidade de refrigeração.
Dentre as exóticas, a mais procurada é a tâmara israelense, carro-chefe no mercado de frutas atualmente, que é produzida o ano inteiro. Em épocas específicas do ano, são procuradas as frutas de ocasião, como as natalinas, morango, melão, manga e ameixa.
Os preços são considerados acima da tabela, e muitas vezes exibidos por gramas, talvez para não assustar o cliente, que acaba não se apercebendo do valor real. Os vendedores e donos de bancas alegaram que, devido à qualidade e ao fato de serem frutas diferenciadas, é impossível equiparar o valor cobrado aos praticados nas feiras livres. “As importadas têm seus preços baseados em dólar, e sofrem a influência das variações cambiais”, disse D. que pediu para não ser identificado.
Mesmo assim, o afluxo de clientes é grande, atraídos pela qualidade das bancas. “Sempre que venho passar férias no litoral de São Paulo, faço uma parada no Mercadão para comprar as frutas exóticas e diferenciadas, que não chegam em minha cidade”, conta Vivian Oliveira, 38 anos, de Barretos.

Texto de Maria Eugênia Meireles e Malu Alencar 

Gente que brilha nas bancas de frutas

Os boxes do Mercadão apresentam uma gama de vendedores com características semelhantes no entusiasmo e solicitude com que tentam atrair os clientes, mas que se diferenciam quanto aos sonhos e projetos de vida de cada um. Há a jovem recém-contratada, que quer estudar Direito, e a funcionária mais antiga, que está fazendo um curso de barbearia para complementar a renda. Há o homem de mais de 40 anos, pai de família, com a vida assentada e experiente, que se realiza com o que faz e dá preciosas lições de venda e o idoso de mais de setenta anos, que ali construiu a duras penas a sua história. 

Bom humor vende

“Conhecer melhor o cliente, entrar na vida dele, sem parecer invasivo e saber o que ele gosta. Aí, vender é consequência”, resume o bem-humorado Ricardo Ribeiro, 42 anos, 3 filhos, vendedor de frutas da Banca do Juca. Mora em Guarulhos e acorda às quatro horas para chegar às seis no trabalho. Muito alegre, escancara sua vida revelando, entre outras coisas, um namoro aos 18 anos, com uma nissei que foi para o Japão e queria levá-lo com ela. Mas ele não aceitou e hoje se arrepende porque lá, ela morreu. Ante a surpresa pelo desfecho da história, faz um suspense e depois sentencia, com ares de dono do destino: “Se eu tivesse ido, talvez ela não morresse”. E antes que resvalasse para a tristeza, conclui: “Me considero feliz, porque tem gente que tem muito dinheiro e é triste, infeliz. Eu sou alegre, adoro o que faço. Eu nasci para vender”.

Pão com pimenta

A refeição inusitada de pão - ou arroz - com pimenta era o alimento diário de Pedro Pereira da Cruz, paranaense, quando começou a trabalhar no Mercadão, puxando carrinho para carregar caminhões.
Já era casado, com filhos, e o pouco que ganhava – duzentos cruzeiros –, mal dava para o sustento da família e nem permitia gastos com refeições no local de trabalho. Com o tempo, e após mudanças de cargo em várias bancas, conseguiu juntar dinheiro para comprar uma pequena barraca junto com dois irmãos.
Hoje, aos 71 anos de idade, é dono da Banca do Juca, box que ganhou notoriedade com a gravação de uma novela na década de 1990. Ele não segura as lágrimas ao lembrar de todo o sofrimento por que passou. Pai de duas filhas do segundo casamento (do primeiro ele não revela quantos), enfatiza a diferença de qualidade de vida que agora proporciona à família.
Sobre o que lhe trouxe toda essa experiência, ele resume: “O que eu não podia comer eu forneço para os meus empregados. Aqui ninguém passa fome”. A mesa farta com garrafa de café com leite, pão, frios e margarina disponível para seus funcionários, evidencia o seu aprendizado de vida.

Texto de Diva Reis e Maitê Ribeiro

VOCÊ SABIA?
 No Mercadão, há uma recomendação em vigor de uso exclusivo de facas descartáveis, visando maior segurança para funcionários e visitantes. No entanto, a orientação vem trazendo problemas. A faca plástica não é adequada para corte de vários produtos, dificultando a degustação, uma marca do Mercadão. “Sem falar na questão ambiental; só aqui no meu box utilizo 200 peças por dia”, comenta Luiz Augusto, do box I Want Fruit.
Texto de Maria Teresa Paliologo de Britto e Silvia Lucia Della Gatta
Mobirise

Violeiro, poeta, repentista, corintiano e católico

Nada menos do que 56 anos é o tempo que João Levi Miguel está à frente da Levi Queijos, box especializado em laticínios. Aos 85 anos, ele faz questão de dizer que é nascido em Itu e orgulha-se das quase seis décadas de trabalho no Mercadão. Bem-humorado, simpático, acolhedor e com uma lucidez incrível para seus negócios, Levi faz repentes, poesias, é violeiro, e declara-se católico fervoroso e corintiano. 

Seu horário de trabalho começa cedo, às 4:30 da manhã e estende-se até às 17 horas. Em seu box, são encontrados queijos, conservas em geral, azeites, vinhos e embutidos das mais variadas procedências. 

Seus hobbies são suas composições, que ama, e seu trabalho. Não pensa em parar. Vê em seu neto, Yuri, de 25 anos, que o acompanha em todas as tarefas da banca, a continuidade de seu negócio.

Texto de Lygia Benvenuti e Mena Aboud 

QUEIJOS E EMBUTIDOS: O PECADO DA GULA NO MERCADÃO

Dentre os aproximadamente 80 boxes de queijos e embutidos existentes no Mercadão, alguns aspectos se destacam mesclando tradição e alimento.
No box Queijos Roni, um dos permissionários mais tradicionais, comercializando desde a abertura do Mercadão, a quarta geração da família Talarico Peta à frente do negócio trabalha com 11 tipos de queijos. Os carros-chefes são o queijo fresco, a ricota e a mussarela, todos de fabricação própria, sem conservantes.
No Levi Queijos, que tem como carro-chefe o queijo parmesão, o proprietário João Levi Miguel, que em 2016 ganhou o título de personalidade do ano na gastronomia, destaca que, apesar do queijo parmesão uruguaio ser o mais vendido, o nacional de marca Faixa Azul é o melhor, porém o mais caro.
O queijo de fabricação própria do Empório Cruzília, que inicialmente teve o nome de Bolo Azul de Minas e atualmente é chamado de Santo Casamenteiro, foi eleito, em 2017, o melhor queijo em um concurso mundial na França. Ele tem na composição nozes e damasco e é o responsável por 35% das vendas desse box. “O produto da moda no momento é o queijo mussarela Burrata, que tem recheio cremoso de leite de búfala”, diz o gerente de vendas Leonardo Luciano de Marco. Confirmando o pecado da gula dos queijos e embutidos, Jaime Gomtow, de 80 anos de idade e cliente fiel deste empório, diz que os sabores do Mercadão remetem à sua infância, pois frequenta o mercado desde pequeno, quando era trazido por seu pai.

Texto de Gerson Rebello e Hidely Nascimento 

Mobirise

OS ÍCONES DO SABOR DO MERCADÃO

De tão famosos, não há como falar de Mercadão sem mencioná-los: o recheadíssimo pastel de bacalhau e o generoso sanduíche de mortadela. O primeiro tem origem controversa, até mesmo dentro do restaurante Hocca, apontado como o local criador da iguaria. Enquanto o colaborador Edilson Teixeira, na empresa há 36 anos, conta que o sabor nasceu de uma “teimosia” dos empregados que já faziam pastéis de carne e queijo e sugeriram um recheado com bacalhau, Horácio Ferreira Gabriel, um dos sucessores da empresa, afirma que a origem foram os bolinhos, feitos por sua mãe como lanche para o marido, que deram origem ao quitute. 

Mobirise

No caso do sanduíche de mortadela, a história não é tão controversa. Os dois afirmam que o recheio reforçado se originou de pedidos dos trabalhadores do próprio mercado, que, por realizarem trabalho braçal e só realizarem uma refeição diária, pediam o lanche “no capricho”. A fama desta gastronomia já atravessou fronteiras. Hoje, o Restaurante Hocca, além de quatro pontos de venda no Mercadão, está presente em shoppings de Campinas, São Bernardo do Campo, Mooca, Moema, todos no estado de São Paulo, e já se prepara para inaugurar uma unidade em Orlando, na Flórida.

Texto de Célia Fevereiro Grisolia e Celso Luiz de Oliveira  

Mobirise

Um brinde à nossa saúde

Passeando pelos boxes especializados em bebidas do Mercadão, como a Banca do Ramon e o Empório Santa Terezinha, é possível encontrar uma variedade de bebidas, tais como cafés gourmet, vinhos, cervejas, e muitos destilados, para atender à diversidade de seu público consumidor. A demanda pelas bebidas vem de outros estados do Brasil e de turistas, que querem experimentar as cachaças. Estas já não são mais aquelas tradicionais do passado: ganharam muitos rótulos processos diferenciados de produção. Na Banca do Ramon encontram-se algumas bebidas que são verdadeiras pérolas, com histórias de produção que se destacam. Um exemplo é um conhaque de origem francesa, de nome Louis XIII, que levou 50 anos para ficar pronto. Ricamente embalado em garrafa de cristal baccarat, tem seu preço em torno de 31 mil reais. Um dos vinhos tem uma história de 14 anos para ficar pronto, chegando seu valor a 50 mil reais, e tem na Europa o solo perfeito para sua produção. Encontra-se ali também uma vodka canadense embalada em uma garrafa em formato de caveira. É muito interessante o conhecimento demonstrado pelos profissionais que ali trabalham, como Kel, que acompanhou pessoalmente a produção de várias marcas à venda na loja, principalmente na Europa, reforçando a importância do solo daquela região para a qualidade das bebidas. 

Mobirise

Já no Empório Santa Terezinha a presença das cachaças e das cervejas é bastante forte. O destaque é a multiplicidade de rótulos de cervejas artesanais, muitas delas brasileiras. Produto em franco crescimento nos últimos cinco anos, as cervejas artesanais levam ingredientes diversificados nas suas fórmulas, incluindo especiarias e frutas, para harmonizar com alimentos e serem degustadas do inverno ao verão. Os mais tradicionais encontram as puras cervejas originais, com a clássica composição água, malte, levedura e lúpulo. Segundo o sommelier Silvio Molina Júnior, o lúpulo é responsável por conservar a cerveja e tem propriedades antissépticas. Por essa razão, conta Molina, seu uso foi disseminado na Idade Média, quando não se tinha água potável, para prevenir infecções e a transmissão de doenças. Literalmente, se podia brindar à saúde. Vale passar por lá e degustar com um queijo, apreciando seus belos e valiosos vitrais. Tim-tim!

Texto de Cida Bertollo e Maria da Conceição Faustino 

Mobirise

Um engenheiro mecânico no dia a dia do Mercadão

Leonardo Chiappetta, de 65 anos, bem que tentou enveredar por um outro caminho, mas a tradição familiar falou mais alto, levando-o a ser o representante da terceira geração da família a estar à frente do Empório Chiappetta, presente no Mercadão desde 1933, fundado por Carlos Chiappetta. 

Mobirise

Neto do fundador, Chiappetta começou a trabalhar com o avô aos 7 anos. Seu avô, por volta dos 60 anos de idade, resolveu deixar o comando do Empório para os filhos. O tempo foi passando e ele decidiu cursar Engenharia Mecânica. Na época em que estudava, trabalhava no mercado durante o dia e frequentava a faculdade à noite. “Depois de formado, exerci por pouco tempo minha formação e logo retornei às atividades do Empório”, diz.

Mobirise

Hoje toda a família contribui com seu trabalho: esposa, irmãos, sobrinhos e filhos. Ele é torcedor do Palmeiras e tem como hobby jogar tênis de mesa e fotografia. Faria a mesma coisa novamente e não pensa em aposentadoria: “Espero a vida decidir”, diz.
  
Quando perguntado sobre pessoas famosas ou de destaque que já passaram por seu comércio, Chiappetta prefere não destacar ninguém, apesar de já ter atendido muitos. Para ele, importantes são seus clientes do dia a dia. 

Mobirise

Ele conta que o rei da Noruega esteve no Empório como uma homenagem desse país pelo trabalho realizado por ele para acolher e incentivar culturas de raiz e agricultura familiar: após uma enchente em Alagoas, Chiappeta apoiou a formação de uma cooperativa que, por meio do plantio de laranja, faz um produto diferenciado, o doce de casca de laranja desidratada/cristalizada. A iguaria é vendida e servida no Café (um nicho ao lado do Empório), onde é possível degustar o Frozen Chiappetta ao Balsâmico, um gelado com ingredientes exóticos, muito saboroso e uma exclusividade do local.

Texto de Lygia Benvenuti e Mena Aboud 

O MERCADÃO DOS IMIGRANTES

Mobirise

O Mercado Municipal Paulistano é marcado pela presença de imigrantes que continuam com seus boxes até hoje, ainda presentes ou por meio de seus descendentes. O mais tradicional, o Hocca Bar, no Mercadão desde 1952, tem origem portuguesa. À frente do negócio está a segunda geração, representada por Angelo e Horácio Gabriel. Este, além de outras funções na administração, é o chef de cozinha; Angelo cuida da expansão dos negócios com a criação de novas unidades e da manutenção dos restaurantes.
Horácio Gabriel conta a origem do negócio e revela o porquê do nome Hocca. Fundado pelo português Horácio, seu pai, com um sócio, no início o espaço se chamava Lanchonete São Jorge. Com o fim da sociedade em 1952, Horácio mudou o nome. Como gostava do conceito das ocas dos índios como uma casa para receber pessoas, acrescentou o H da inicial de seu nome e rebatizou o box, que com o passar do anos ganhou fama por servir pastel de bacalhau e sanduíche de mortadela.
Os irmãos contam que ainda crianças iam para o Mercadão com seu pai onde brincavam com os filhos de outros comerciantes; já na idade escolar, estudavam pela manhã e trabalhavam à tarde com seu pai, desenvolvendo o amor pelo negócio e o desejo de manter a família no negócio. Horácio segue a tradição e leva seu filho pequeno ao Mercadão. “Espero que ele tenha, no futuro, a mesma paixão que nós temos pelo Hocca”. Para ele, o desafio é conciliar tradição com inovação. “Precisamos manter a tradição humanista ao mesmo tempo em que implantamos as novas tecnologias para o negócio”.

Mobirise

A Espanha é a terra natal de Francisco de Assis, há 60 anos no Brasil, 23 comercializando somente produtos espanhóis no Mercadão. Sua maior clientela é a comunidade espanhola e chefs de restaurante. O produto mais vendido é o jamón, cujo preço por quilo varia entre R$ 90,00 e R$ 550,00, dependendo da raça e da qualidade do animal de origem. O mais caro vem de animais tratados com “belota” um tipo de castanha – o chamado porco ibérico. Em seu box, Assis comercializa vinhos e outras iguarias espanholas. Ele conta apenas com a ajuda da esposa e não tem descendentes. Observa uma grande mudança de consumidores no mercado, comentando que antes vinham mais famílias, imigrantes e hoje mais turistas e alguns chefs de restaurantes.

Mobirise

Por seu lado, Vataru Ito, proprietário da Peixaria Takeda, é de origem japonesa. Há 37 anos no mercado, relata que desenvolveu o negócio por uma necessidade de sobrevivência. A procedência de seus produtos é todo o litoral brasileiro; enquanto o salmão, que vem do Chile, é o produto mais vendido. Vende bem também o Robalo ao preço de R$ 160,00 Kg. Seus consumidores principais são donos de restaurantes. Ito orgulha-se do seu cuidado na conservação de seus pescados, com o uso de câmara frigorífica mantida a 25 graus negativos, além de geladeira e gelo. “Peixe não é um negócio de leilão”, alerta, recomendando evitar o consumo de peixes com preços promocionais, pois o pescado é um produto que tem que ter uma boa procedência e armazenamento, o que gera maior custo. Ele nota uma diminuição do número de consumidores no Mercadão e credita este fato à proliferação das feiras-livres, supermercados e hortifrutis em quase todos os bairros da cidade.

Texto de Matilde Balro e Sandra Rodrigues

Mobirise

UM NEGÓCIO DA CHINA


No box Pescados Crescente, aberto em fevereiro deste ano, o idioma oficial é o chinês. O espaço é especializado em atender chineses que consomem peixes diferenciados e não comem peixe de água doce. Este público representa 95% dos clientes; os 5% restantes são restaurantes vietnamitas.
 

Mobirise

O sócio Sidnei Vargas, 60 anos, ex-bancário, sempre se dedicou à pesca esportiva. Após a sua aposentadoria, foi convidado pelo seu cunhado para reabrir um box desativado. Para isso, foi pesquisar a necessidade dos clientes e viu, no público de origem chinesa, um nicho de mercado a ser explorado. Com o passar dos meses, foi conquistando a confiança por meio de amizades com os chineses, ganhando assim aumento constante de clientes.
Para se comunicar com o seu público, Vargas faz uso do tradutor do Google e de linguagem gestual, já que a maioria da clientela não fala português. Ele mantém no balcão um cartaz escrito em chinês: “Por favor, coloque a luva”, devido ao hábito dos consumidores em manusear os produtos sem nenhum tipo de proteção.
O hábito de compra dos chineses se difere por comprar por unidade, consumir somente se estiver fresco, além da preferência por peixes coloridos e amarelados. No Pescados Crescente, os peixes vêm de várias regiões do Brasil e nunca são congelados. A variedade de peixes vai de trombeta espada, anchova, caramujo, carapeba, enguia e oveva.
A sobra de produtos é oferecida aos clientes sob a forma de promoções, garantindo assim que sempre tenha produtos frescos.
  
Texto de Bernadete Siqueira e Talita Wolkoff

VOCÊ SABIA?
 O Mercadão não dispõe da rede de abastecimento de água da SABESP. A água chega por caminhões pipa, que fazem 10 viagens por dia.
Mobirise

Uma mulher de fibra no Mercadão

O box fundado em 1959 por Giacomo Geraldi e sua esposa Adelaide Geraldi hoje é dirigido por Nancy Geraldi, 71 anos, filha do casal de fundadores. Ela trabalha no Mercadão desde quando tinha apenas 12 anos de idade, ajudando seus pais desde a inauguração do espaço.
Vende massas em geral, antepastos, molhos caseiros, doces italianos e muitos itens de secos e molhados. O negócio é herança de família e ela gosta muito do que faz. Está aposentada desde 1999 e não pensa em parar de trabalhar. É solteira, sem filhos. Não tem hobby e, em suas horas de folga, cuida de um cãozinho.
Pensa sobre o futuro do seu comércio. Os herdeiros, seus sobrinhos, não trabalham com ela e fica a dúvida se o negócio permanecerá em família. Durante a semana conta com a ajuda de dois funcionários e, nos finais de semana, com quatro.
Sente-se realizada, tem uma clientela antiga e fiel.

Texto de Lygia Benvenuti e Mena Aboud 

Mobirise

PARA TEMPERAR A VIDA

As lojas especializadas em temperos, estabelecidas há mais de 50 anos no Mercadão, oferecem mais de 300 tipos de especiarias, desde as mais conhecidas como orégano, pimenta do reino, açafrão até a chamada fumaça líquida.
As ervas e especiarias podem fazer muito mais do que dar sabor aos alimentos, promovem a saúde e bem estar, algumas, inclusive, contribuindo para inibição de doenças degenerativas. “A procura por esses temperos se dá mais pelo sabor do que pelo valor medicinal”, informa Robson de Souza, 53 anos, gerente da Loja Santa Terezinha. A exceção fica por conta do alho negro, que além de ser um ótimo aromatizante de azeites, ajuda na diminuição do colesterol e na regulação da pressão arterial.
A maioria dos temperos é importada da Índia, África, América Central, entre outros. Dentre os produtos nacionais destaca-se a pimenta rosa, nativa de São Paulo e utilizada em diversos pratos. O sabor adocicado e perfumado não esconde o gosto de outros alimentos.

Mobirise

Frequentadas por donas de casa, nutricionistas, estudantes de gastronomia e chefs de cozinha, as lojas de temperos atraem pela variedade de produtos. Os estrangeiros se encantam com os sabores, como o turista Jason, formado em gastronomia na Inglaterra, que ficou impressionado com a diversidade de produtos e o que mais gostou foi o limão em pó com pimenta.

Texto de Neiva Varone, Regina Silveira e Vera Almeida 

Sustentabilidade no Mercadão: reciclagem de materiais e de vida

Mobirise

Todos os dias, Washington chega ao Mercadão nas primeiras horas da manhã para trabalhar, mas, diferentemente dos profissionais que atuam nos boxes, bares e restaurantes que atraem multidões, se dirige a uma área pouco visível do imponente prédio para a tarefa de dar destino de reciclagem a toneladas de resíduos sólidos ali produzidos.
Membro de uma equipe de 10 pessoas, Washington opera a máquina de prensar e enfardar papelão e se considera um microempreendedor. Sua história é de superação. Aos 53 anos de idade, depois de 30 anos de vida nas ruas, envolvimento com drogas e passagens pela polícia, a necessidade de mudar falou mais forte. “Perdi totalmente minha identidade, nem sabia mais meu nome, quem eu era”, conta, em meio a uma montanha de caixas de papelão. 

Mobirise

Após ser acolhido pela operação Atenção Urbana da Prefeitura de São Paulo e ser internado em clínica de recuperação por 9 meses, “saiu limpo”. Foi quando, enquanto resistia às tentações das ruas, soube e aceitou a oportunidade de trabalho oferecida pela ONG Clube de Mães, entidade sem fins lucrativos que se dedica a ajudar pessoas em situação de rua e em vulnerabilidade social e, no caso do Mercadão, responsável por gerir as atividades de reciclagem.
“Ao longo desses 6 anos de atividade aqui no Mercadão, tenho uma renda, recuperei minha dignidade e minha autoestima”, diz Washington, exemplo vivo do lema do Clube de Mães: “transformando mãos que pedem em mãos que fazem”.

Texto de Elisa Mirian Katz e Eduardo Castro Abreu 

Mobirise

Apetrechos também no Mercadão

O Mercadão é uma referência para a gastronomia. Os mais renomados chefes de cozinha passaram e passam quase que obrigatoriamente por este importante centro de abastecimento, onde além de pesquisar e encontrar produtos diversos e de qualidade, ainda contam com especial atendimento no segmento de utensílios, como a Casa Bandeirantes que se dispõe sempre a auxiliá-los em alguma ideia para desenvolver produtos necessários para otimizar o dia a dia do ramo gastronômico. Um exemplo é o desenvolvimento de paelleras para grandes quantidades.

Mesmo com crises e mudanças no decorrer do tempo, a Casa Bandeirantes, fundada em 1930 por Francisco Joaquim Veiga, persevera. Está na terceira geração e atualmente quem está no leme é Luiz Antônio Nascimento, com 64 anos de idade. Nascimento é engenheiro eletrotécnico de formação, mas nunca exerceu a profissão. Carrega com orgulho o negócio da família, mas preocupado com a mudança de vocação do Mercado, que hoje, em função do turismo, está mais voltado para a gastronomia. 
Segundo Nascimento, com o passar do tempo, a venda de utensílios se tornou bem restrita dentro do Mercadão, devido ao crescimento deste tipo de negócios no entorno da Av. Cantareira e também em grandes magazines. Atualmente, os maiores clientes da Casa Bandeirantes são os hotéis, docerias e restaurantes que trabalham com utensílios especiais, muitos não encontrados no mercado comum.

Mobirise


Numa escala menor, o casal Libertad Rivera Saporito, de 79 anos, e Eugenio Saporito, de 80 anos, mantêm um box há 19 anos. Inicialmente, comercializavam principalmente batata, cebola e alho. Aos poucos, e pela necessidade de diversificar, foram introduzindo alguns utensílios, como colher de pau, sacolas diversas, panos de prato, abridores de garrafa, latas etc., que segundo Saporito, têm atraído mais visitantes e consequentemente, aumentando um pouco mais o faturamento.

Texto de Cleonice Brito e Eni Maria de Oliveira 

VOCÊ SABIA?
 No térreo do Mercadão, existe um espaço diferenciado intitulado Salão de Eventos.
Com boa área circulatória e excelente luminosidade, abrigará até o dia 16 de dezembro uma exposição de artesanato. Existe uma coordenação específica que aluga e administra o espaço. Os artesãos participantes ressaltam a dimensão da grandeza de estar no Mercadão e no entorno da Rua 25 de março e contam que foram convidados ou indicados para estar lá e que há a exigência de que os produtos sejam diversificados. O maior problema é a divulgação precária e a dificuldade de estacionamento; mesmo assim eles pleiteiam permanência da exposição. 
Texto de Maria Teresa Paliologo de Britto e Silvia Lucia Della Gatta

OS VITRAIS DO MERCADÃO  

Mobirise

Ninguém vai ao Mercado Municipal Paulistano, nosso Mercadão, para ver os vitrais, nem vai lá fazer compras por motivos econômicos, tampouco vai pelos produtos que são mais ou menos os mesmos e tão frescos quanto os encontrados nas feiras livres.
E por que tanta gente vai? O que apetece as pessoas é o ambiente. Ziguezaguear por suas ruas coloridas e experimentar o apetite de saber mais sobre a história daquele local, a arquitetura e os vitrais. 

Projetado por Ramos de Azevedo (1851-1928) em estilo neoclássico, com fachadas sóbrias, algumas portas encimadas pela deusa romana dos pomares, Pomona, colunas internas, telhas de vidros, clarabóias e vitrais para uma perfeita iluminação natural. 

Mobirise

A elaboração dos vitrais foi entregue a Casa Conrado, ateliê da família Sorgenicht, vinda da região da Renânia, Alemanha. Além de dominar a técnica de unir por meio de nervuras metálicas, porções de vidro colorido e transparente, de dimensões e formatos variáveis, o artista Conrado Sorgenicht Filho era conceituado por sua criatividade na pintura e desenho e em apurar com rigor os fatos históricos. Durante cinco anos, Conrado viajou ao interior paulista com o objetivo de pesquisar, registrar em fotos e desenhos as fazendas, as colônias, os trabalhadores, o gado e a produção do café.

Hoje admirar os vitrais é tomar gosto pelo passado. 

Mobirise

Em 1932 o Mercado estava concluído porém, armas e munições foram os primeiros produtos estocados em seu interior, no lugar das frutas e peixes. Era a Revolução Constitucionalista de 1932, e suas instalações foram requisitadas para uso militar. Conta-se que alguns soldados treinavam pontaria mirando as cabeças das figuras nos vitrais. Conrado teve de trabalhar por mais dois meses repondo os fragmentos quebrados.
Graças a todos esses detalhes, os freguentadores poderão concluir: haverá uma maneira melhor de se compreender um país, saber o que se produz em outras terras, e vislumbrar algo de um povo do que caminhar por um mercado?

Texto de Tânia Veiga e Vera Bifulco 

MERCADÃO:

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA UMA BOA VISITA

Localização
Horário
Lojas
Restaurantes
Mobirise

 Lojas (boxes) no local: 

Quitandas (Frutas, Temperos)
Açougues
Avícolas
Empórios (Vinhos, Cervejas, Pingas, Bebidas em geral, Frutas Secas, Carnes Salgadas)
Mercearias (Pães, Massas, Pimentas)
Frios e Laticínios (Queijos, Frios em Geral)
Gourmet (Restaurantes, Lanchonetes, Cervejarias, Bombonieres, Cafés, Doceiras)
Peixaria
Diversos (Embalagens, Utensílios Domésticos, Charutaria, Lotérica) 

Mobirise

Onde comer:

Querendo tomar café da manhã, o local mais procurado é a Padaria Paulistana, que tem o especial Chapa Requeijão a R$ 9,00.
Para matar a fome, uma opção é o Bar e Linguiçaria Di Callani com a calabresa curada, a R$ 49,90/kg. Com certeza, os mais procurados são o Cabuloso (calabresa grelhada com queijo prato derretido e vinagrete especial, Mortadela e Bacalhau Especial, em torno de R$ 23,00 a R$ 30,00; mas existem outros lanches e pastéis, como Pastel de Bacalhau, a R$10,00 e o Bolinho de Bacalhau a R$ 10,00.
Para um bom vinho (os melhores internacionais e nacionais), cervejas premiadas, espumantes, recomendamos o Empório Santa Terezinha, entrevista com o sr. Silvio Molina. A pinga de banana a R$ 38,00 e a cerveja pilsen premiada, a R$ 22,00. 

Mobirise

Restaurantes para almoço:

Para quem quer apreciar Adoniran Barbosa, a Salada Paulistana Mercadão faz homenagem a esse músico e compositor. Recomendado o Baião de Três (Arroz e Feijão com Bacon, queijo coalho e mandioca), a R$ 28,50
No Mezzanino, há 8 restaurantes/bares que atendem para o almoço, a partir das 11h e happy hour, das 15h às 18h, onde podem ser degustados a caipirinha de 3 limões a R$ 22,00 e a caipiroska de abacaxi com pimenta a R$ 26,70.
No canto esquerdo do mezzanino, para quem sobe e olha o interior do mercadão, tem o Japa 25, para quem quiser uma variação diferente do famoso sanduíche de mortadela.
Para quem quiser um cardápio vegano, Bar do Quina, Box 2, A12, Rua K. 

Vale saber:
- Caixas Eletrônicos – Rua C, em frente ao Box 37, Açougue Nelsão
- Sanitários – dê preferência aos do mezanino 

Mobirise

O que dizem os visitantes:

*Taís de Oliveira, visitando o Mercadão pela primeira vez, gostou muito, mas considerou os preços abusivos, dando como exemplo o valor do kiwi banana, a R$ 8,90 cada 100 gramas.
*Os chefs de cozinha, Filomena Gracelli, Antonia de Sá e Jurandir Afonso compram no Mercadão há 50 anos. São fregueses dos açougues Porco Feliz e Boi Feliz, que oferecem carnes que não se encontram em outros lugares e recomendam também o box Temperos e Especiarias, bem em frente ao Porco Feliz.
*O gerente da Padaria Paulistana, Jefferson de Oliveira, diz que o Mercadão é uma escola da vida. Já passou por alguns boxes e está há 8 anos na Paulistana. Trabalha desde os 15 anos, formou-se na faculdade e continua firme e feliz no Mercadão.
Janaína Cunha, da Salada Paulistana, diz que a maioria dos frequentadores do restaurante são estrangeiros, que ficam encantados com a arquitetura local e o atendimento.
*Já Augusta Pacheco só vai ao Mercadão uma vez por ano para comprar o bacalhau e, desta vez, achou muito caro o valor de R$ 130,00 o quilo.  

Texto de Márcia Carvalho e Regina Liem

Localização:  

Rua da Cantareira, 306 – portões de 2 a 10; Av. Mercúrio – portão 1; Rua Comendador Assad Abdala - portão 11

Como chegar:

- CARRO PRÓPRIO:
* estacionamento no local – Zona Azul – R$ 5,00/hora – Av. Mercúrio, Rua da Cantareira, Rua Comendador Assad Abdala
* estacionamentos particulares – ao redor – R$ 12,00/hora ou entre R$ 40 e R$ 50 a diária
                

Horários:

VAREJO: Seg. a Sáb. das 6h às 18h; Dom. e Feriados das 6h às 16 h
ATACADO: Seg. a Sáb. das 22 às 6h



- METRÔ:
Linha Azul, descer na estação São Bento (mais próxima), andar 500 mts. 


CRÔNICA

Aos 73 anos de idade, Darcy Santana Silva nunca tinha entrado no Mercadão. Neste texto, ela lhe convida para, não importa quantas vezes você já tenha feito isso, saltar na estação São Bento do metrô junto com ela e viver a experiência de transpor os grandes arcos que caracterizam as entradas deste marco da cidade de São Paulo.

MERCADÃO – UM GIGANTE EM PERIGO

Saio da estação São Bento do metrô e desço a ladeira Porto Geral, ziguezagueando, até me deparar com o GIGANTE, o tão falado MERCADÃO- MERCADO MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Ali está o ele, localizado no centro histórico de São Paulo, entre as ruas Cantareira, Comendador Assad Abdalla e as avenidas Mercúrio e do Estado.

Nunca havia estado no local e logo senti uma profunda tristeza ao constatar o estado de abandono em que se encontra atualmente o gigante, pouco lembrando o edifício suntuoso das fotos, quando inaugurado em 1933. Projetado pelo engenheiro Felisberto Ranzini, também responsável pelo Teatro Municipal e pela Pinacoteca. Com mais de oito décadas de história, incluindo-se sua primeira função de armazenar pólvora e munições na revolução de 32, eis agora o velho edifício, feito um leão sem dentes, mas ainda imponente, graças a uma mágica até então desconhecida para mim.

São sete horas e já vejo grande movimento de pessoas no local, uns carregando caixas e outros ocupados em ornamentar seus boxes com frutas, de tal forma, que parecia uma linda exposição de árvores de natal. Um comerciante solícito me vende uma água tônica e logo, com alguns amigos, ando pelo local.

Segundo consta o espaço tem 12.600 metros quadrados e abriga mais de 1.500 funcionários que, juntos, movimentam cerca de 350 toneladas de alimentos diariamente em mais de 270 boxes. Estima-se que receba, semanalmente, cerca de 50 mil pessoas .

Ainda é Referência Nacional

Longe daquela beleza passada, o gigante ainda conserva traços marcantes. Possui aparência eclética com simetria de volumes e formas. Internamente, sua estrutura aparente revela vigas e lajes de concreto armado em curvas formando ogivas onde a forma se une à função. Grandes vitrais iluminam o ambiente, assim como clarabóias suportadas pelas vigas e lajes de concreto armado.
Seu estilo neoclássico tem requintado acabamento, além de belos vitrais de Conrado Sorgenicht Filho, retratando cenas da agricultura e da pecuária. Passando por uma reforma em 2004, incluindo a construção de um mezanino para abrigar restaurantes, o gigante ainda é uma referência nacional, pela diversidade de aromas, cores e sabores como os das frutas, legumes, vinhos, queijos, chocolates, carnes, peixes, frutos do mar, aves, embutidos, temperos e outros.


O Gigante Está Doente

Contudo, num olhar mais apurado do observador, por trás do pano de fundo, percebe-se que o Mercadão corre o risco de passar pela mesma situação do Museu Nacional no Rio de Janeiro, que teve todo seu patrimônio histórico destruído em decorrência de um incêndio, com prejuízos irreparáveis, de algo que poderia ter sido evitado.
Com características parecidas, o Mercadão tem os hidrantes estourados e outros em péssimo estado. Não há rota de fuga e tampouco treinamento de combate a incêndio dos funcionários e permissionários. Um eventual incêndio seria, no mínimo, desastroso, com prejuízo do patrimônio cultural, patrimonial e de vidas, dado o número elevado de visitantes e funcionários no local. 
 
O Gigante ajuda a Vida a ser mais bela

Andando naquele emaranhado de box, lojas e odores, ouço histórias emocionantes de trabalhadores, famílias inteiras dedicadas ao serviço no mercado por décadas, algumas relatam sua trajetória com lágrimas nos olhos.

Saio, em meio aos vários visitantes, daquilo que mais parece uma feira livre requintada.
Rostos satisfeitos, encantados com suas sacolas cheias, felizes com tudo que seus olhos puderam ver e seu paladar degustar.
Olho mais uma vez o Gigante abandonado. Não passa, hoje, do espectro daquilo que foi um dia. No entanto, pessoas saem felizes do seu interior, das paredes que abrigam lindas histórias.
Digo para mim mesma: “valeu, e como valeu”. Porque como disse Cora Coralina, são pequenas coisas que dão sentido à vida, “o que faz com que ela não seja nem curta nem longa demais, mas intensa, verdadeira, pura, enquanto durar”.

Texto de Darcy Santana Silva